CAMADA TESTE

EURICO LOPES

10.05 a 09.06.2018

Curadoria: Douglas de Freitas

Mostrar Mais

 

 

CAMADA TESTE

Eurico Lopes busca distintos materiais para a construção da pintura, dos mais tradicionais, como a tinta óleo e o espaço delimitado de uma tela, à elementos disponíveis no mundo, entre materiais banais e industriais. Podemos entender suas pinturas como registros dessas experimentações de suporte e superfície. Esse princípio, aparentemente simples, une-se à uma construção cromática realizada por sobreposições de cores. Uma sobre a outra, em poucas ou muitas camadas, essas cores montam um monocromo, se escondendo e se revelando por margens propositalmente expostas. A obra está pronta quando uma cor, ou textura, de interesse do artista é alcançada.

 

A exposição “Camada Teste” dá continuidade ao interesse do artista de realizar uma pintura processual. Os trabalhos se ancoram em uma gestualidade aparente, na qual, a rudeza das pinceladas sobre os suportes, e os acidentes resultantes das sobreposições de cores, são assumidas como parte constituinte das composições, provas da existência de um trabalho anterior, agora coberto.

 

São pinturas brutas, com elementos reduzidos que ambicionam a pintura de muros, a pintura da cidade. Com brilho ou opacidade, mais espessa ou diluída, através de cada detalhe, uma engenhosidade na construção das cores, galgada na tradição da arte, se apresenta. Entre acontecimentos, acidentes e limpeza, se evidencia o processo para o chegar à uma cor específica. O conjunto é uma discussão sobre distintas possibilidades da pintura, das diferenças alcançadas através de cada escolha, e a relação que elas estabelecem entre elas, e com o próprio espaço. 

 

O que se enfatiza no todo é o modo de experimentação do artista de testar, ou melhor, de assumir o teste como linguagem, como solução. Algo nessas pinturas nos faz crer que elas serão retomadas em algum momento, e podem até ser, mas não agora. Esse momento foi o escolhido para a interrupção do processo. Naquela cor, naquela construção. 

 

Douglas de Freitas